Experience # 1 by Isabelle Schad – 2013

1005058_10200147776278880_896276961_n

Imagem 6

8 June – 21h30 – Auditório de Serralves,  Serralves em Festa, Porto (PT)

& 9 June – 17h00 & 21h30 – Auditório de Serralves,  Serralves em Festa, Porto (PT)

Serralves em Festa

Serralves em Festa no P3

 

 

“Experience # 1” da coreógrafa alemã Isabelle Schad é uma peça coreográfica de grupo, concebida por um coletivo de 10 performers de várias nacionalidades, alguns deles parceiros e cúmplices da artista. No Porto, o colectivo incluirá bailarinos da comunidade artística local. Concebida ao longo de 3 semanas, no Auditório de Serralves, “”Experience #1″” resulta da partilha de experiências e da descoberta de dinâmicas entre o grupo de performers com a finalidade de inventar múltiplas configurações e reuni-las numa peça,  em consequência da investigação e prática comuns.
Concentrada na integração dos materiais que cada performer transporta consigo e no estudo individual do seu corpo  – orgânico, cultural e social – Schad investe na construção de uma estrutura coreográfica que se irá transformando em palco como um organismo vivo e activo. Em “Experience #”1, cada performer faz parte de um todo – do corpo e do processo coletivo – e ao mesmo tempo, é o sujeito da sua própria experiência. A apresentação de “”Experience # 1″” é única e reveladora do trabalho de pesquisa realizado pelo grupo de performers sobre a forma e o seu desenvolvimento, a sensualidade e a estrutura, a exibição e a abstração, a embriologia e a coreografia, o som e a natureza, o prazer e a dança.
Isabelle Schad é coreógrafa e performer e reside em Berlim. Depois de realizar estudos de Ballet Clássico em Stuttgart, fez parte de várias companhias e trabalhou com os coreógrafos Wim Vandekeybus, Frédéric Gies, Olga Mesa, Eszter Salamon, entre outros. Nos últimos anos, orientou o seu trabalho e investigação para o estudo de práticas somáticas como Body-Mind Centering-neste âmbito destaca-se o workshop sobre Embriologia de Bonnie Bainbridge Cohen, em 2010, decisivo para a sua experiência artística.
Desde 1999 que desenvolve o seu trabalho individual baseado em práticas corporais e na investigação contínua sobre a (re)presentação. As suas peças (à semelhança de California Roll e Still Lives-um projecto comunitário desenvolvido em doze cidades europeias) – apresentaram-se internacionalmente e receberam nomeações e prémios. Nós últimos anos, iniciou vários projectos de investigação baseados no estudo de diferentes formas de organização, possibilidades de funcionamento e de práticas de trabalho em grupo, envolvendo e questionando modos de produção. Com Bruno Pocheron e Ben Anderson criou um projecto de colaboração intitulado Good Work (2003) sobre representação, estudo de percepção do corpo no palco e na sociedade. Good Work resultou em performances que envolveram vários artistas e seus parceiros artísticos.
Em 2005, Isabelle Schad, Alice Chauchat, Frédéric Gies, Frédéric de Carlo, Odile Seitz iniciaram o colectivo aberto “Praticable” que propunha um modelo específico de trabalho com artistas da dança e coreografia, baseado na partilha de experiências do corpo.
“Praticable” incluía a partilha de investigação de processos de aprendizagem, de criação, de produção, de distribuição e de multiplicação de relações entre os elementos do colectivo. Uma outra experiência recente é a série de peças – Unturtled(s) (em desenvolvimento desde 2009) realizada com o artista visual Laurent Goldring, centrada  na relação entre  a imagem e o corpo.
Nas peças de grupo Musik (Praticable) iniciadas em Zagreb e em Berlim, Schad confronta a terminologia musical com conceitos de fisiologia, escrita coreográfica e elementos composicionais de dança, organização de corpos em motivos, figuras, vozes polifónicas e paisagens coreográficas. Schad é ainda professora no MA Choreography em Berlim e no BA (HZT) e realiza frequentemente workshops e projectos de formação internacionais.

Imagem 5

© Júlio Eme

© Fundo da Crítica