desNORTE # 2

DesNORTE # 2
27.11.2011 | 15h
Organização: Susana Otero & Cristina Leitão
com: Flávio Rodriques, Cristina Leitão, Andreas Dyrdal, Susana Otero, Pedro Rosa, Monika Pundyk, Elisabeth Lambeck
15h – Welcome! Apresentação dos artistas presentes e curta conversa sobre o desNORTE.
                  – Propostas para o futuro
                  – Sugestões para o presente
                  – Questões
Projecção de um “documentário” sobre o PÚBLICO na cidade do Porto
                  – Discussão aberta sobre o tema proposto.
1+1+1
                  Cada participante deste desNORTE deverá preparar 3 excertos de máx. 1min, em qualquer formato que possa                   ser mostrado em TV ou computador: DVD, youtube, vimeo, etc.
1.               Excerto da peça que mais gostou até hoje – de preferência que tenha visto ao vivo.
2.               Excerto da peça que menos gostou até hoje – de preferência que tenha visto ao vivo.
3.               Excerto de um trabalho próprio.
                   No final dos 3 minutos podemos acrescentar alguns minutos opcionais para uma curta argumentação ou          contextualização da escolha e questões que possam surgir.
Discussão aberta sobre a necessidade de aulas para profissionais na cidade do Porto.
                 Sugestões, experiências anteriores, periodicidade proposta, formato, preço?
                 Quem e para quem? (Cristina Leitão, Andreas Dyrdal, Elisabeth Lambeck?)
Curta discussão sobre os encontros de pesquisa de estúdio que tem vindo a realizar-se.

 

Se tivermos tempo, retomamos o tema proposto (e não abordado) no desNORTE # 1 pela Elisabeth Lambeck numa curta discussão aberta sobre FISICALIDADE.
                  – A fisicalidade é importante no teu trabalho?
                  – Que lugar tem a fisicalidade no teu trabalho?
                  – O que é a fisicalidade no teu trabalho?
                  – Como abordas o corpo no teu trabalho/ processo: teatralmente? Esteticamente? Puramente físico? Outro?
                 
 RESUMO
O último encontro realizou-se em casa da Susana o que facilitou um ambiente informal e confortável. Estávamos 7 e desde cedo começamos a discutir problemas que se impõe na criação de algo novo.
Inicialmente o desNORTE foi originado apenas para facilitar encontros entre criadores mas uma vez que as fronteiras entre interpretação e criação estão cada vez menos definidas, alargamos o grupo a todos os artistas ligados à dança contemporânea com uma relação com o Porto, que queiram participar a nível individual (excluindo estruturas ou associações).
Gostaríamos ainda de relembrar que o mural da página do Facebook do desNORTE, não deverá ser usada para auto-promoção ou divulgação geral de actividades – o que pode, por exemplo, ser enviado como mensagem aos restantes membros do grupo mas apenas para divulgação de actividades do desNORTE, perguntas relacionadas com as mesmas e comunicação geral.
Para já, o desNORTE não é colectivo, uma plataforma nem um movimento mas sim um ponto de encontro de partilha e reflexão de ideias e estratégias para o futuro para e por artistas individuais de onde muitas novas criações, ideias ou movimentos podem sair.
De seguida, foi mostrado um pequeno documentário em vídeo, com questões feitas ao público geral da cidade do Porto, onde a maioria das pessoas não conseguia sequer nomear um único artista de dança contemporânea do Porto, a partir do qual surgiu a necessidade de apresentar propostas e desenvolver estratégias para lugares onde possamos apresentar regularmente o nosso trabalho, desenvolvendo uma actividade de criação de públicos em paralelo com o trabalho de cada artista, juntamente com teatros que já existem – trabalhando com eles e não contra eles.
Depois de uma longa discussão passamos, cada um, a mostrar pequenos excertos de trabalhos em vídeo: o que mais gostamos, o que menos gostamos e um trabalho nosso. Foi muito interessante conhecer trabalhos e pontos de vista novos.
Falámos ainda da possibilidade de desenvolver um sistema de aulas para profissionais, por créditos, reduzindo o preços das mesmas, novamente por e para os artistas, num ciclo rotativo de professores (2x por semana).
Será uma ideia a explorar… bem como outras que surgiram desta conversa.
Até ao próximo desNORTE.